Notícias

Coletiva com 36 escultores abre no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo dia 13 de janeiro

Mostra tem o objetivo de apresentar a produção de artistas de diversas regiões do Estado e divulgar a Lei 10.036

Por admin / Publicado: 08/01/2015 Última modificação: 18/10/2019 16h28

Compartilhar

Valorizar a escultura produzida por artistas de diversas regiões do Rio Grande do Sul e divulgar a Lei 10.036. Com esses objetivos, a Associação dos Escultores do Estado do Rio Grande do Sul (AEERGS) e o Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (CCCEV) abrem na terça-feira, 13, às 19h, a exposição Dimensão Pública, composta por trabalhos inéditos. A mostra, na sala “O Arquipélago” do espaço cultural, localizado na Rua dos Andradas, 1223, no Centro Histórico de Porto Alegre, reúne esculturas de 36 artistas e poderá ser visitada, de terça à sexta-feira, das 10 às 19h e, nos sábado, das 11 às 18h.

No local, o público poderá ver, até 21 de fevereiro, obras de diferentes dimensões e vários materiais, produzidas pelos artistas Angela Pettini, Antônio Augusto Bueno, Ana Aita, Ana Homrich, Arminda Lopes, Bira Fernandes, Catiuscia Dotto, Che kalika, Eduardo Rick Martins, Henrique Radomsky, Hidalgo Adams, João Otto Klepzig, Ingrid Noal, Kira Luá, Leandro Machado, Lecy Fischer, Lisete Bertotto, Lucas Strey, Maria Tomaselli, Mario Cladera, Marli Araújo, Mariza Fischer, Paulo Corrêa, Pedro Girardello, Ricardo Olszewski, Ricardo Aguiar, Roberto Chagas, Rogério Livi, Sobral, Soraya Girotto, Sônia Seibel, Tânia Resmini, Vinicius Vieira, Xadalu, Xaplin e Zetti Neuhaus.

Segundo o presidente da AEERGS e curador da exposição, Vinicius Vieira, a entidade vem se organizando desde a sua fundação, em 1982, em assuntos comuns aos artistas visuais que atuam no segmento da escultura em diferentes cidades do Estado. Ele cita como uma das mobilizações mais recentes da instituição a regulamentação da Lei 10036/06 de Porto Alegre. Conforme Vinicius, a medida condiciona a liberação da Carta de Habitação dos novos edifícios com área adensável maior que 2000m², à colocação de obra de arte de visualização pública.

Vinicius acrescenta, ainda, que somente em 2014 os artistas começaram a ser efetivamente contratados para a produção de arte nesses espaços. “É válido lembrar, no entanto, que até meados da década de 1980, mesmo distante dessa regulamentação, Porto Alegre se destacava pela realização de diversos concursos de artes visuais para os espaços públicos, e também pela naturalidade com que engenheiros e arquitetos tratavam desse tema, tendo por prática a inserção, em seus projetos, de trabalhos de artistas em atuação no Estado”, diz.