Notícias

Compositor alemão inspira turnê de música barroca no RS

O projeto Música Antiga nas Igrejas tem patrocínio cultural do Grupo CEEE.

Por admin / Publicado: 01/04/2008 Última modificação: 18/10/2019 16h25

Compartilhar

Santa Cruz do Sul será a primeira das dez cidades gaúchas a receber a sexta edição do projeto Música Antiga nas Igrejas, desenvolvido pelo Grupo Instrumentarium e patrocinado pela CEEE, através da Lei Rouanet. O programa conta com exímios interprétes da música barroca, originários dos cinco continentes, que estão no Estado e prometem proporcionar ao público gaúcho, durante dez dias, uma emocionante viagem musical. Nesta turnê, serão apresentadas seis obras alemãs do Século XVIII, do compositor Georg Philipp Telemann, em um espetáculo gratuito e com duração de, aproximadamente, uma hora.

O grupo é integrado por Rodrigo Calveyra, fundador e diretor artístico do Instrumentarium, na flauta doce; Manfred Kraemer, no violino barroco; Diego Nadra, no oboé barroco; Juan Manuel Quintana, na viola da gamba; e Jorge Lavista, no cravo. O Instrumentarium foi formado, em 1995, com a proposta de executar música antiga com instrumentos de época, como a tiorba, peça da família do alaúde de quase dois metros de comprimento, tocada de forma semelhante ao violão e a viola da gamba. Em dez anos, já foram realizados 140 concertos.

O projeto Música Antiga nas Igrejas estréia nesta quinta-feira, 3 de abril, às 20 horas, na Igreja Evangélica Luterana do Brasil, na rua Venâncio Aires, em Santa Cruz do Sul. No dia 04, estará na Catedral Diocesana, em Santa Maria; dia 05, na Catedral de Bagé; dia 06, na Igreja Nossa Senhora do Carmo, em Rio Grande; dia 07, na Catedral do Redentor, em Pelotas; dia 09, na Igreja Nossa Senhora do Carmo, em Tapes; dia 10, na Igreja Santuário Santo Antônio, em Passo Fundo e dia 12, na Igreja São Pedro, em Gramado. Em todas as cidades, os concertos são às 20 horas. O encerramento é na capital, no domingo, 13 de abril, na Igreja São José, na Alberto Bins, 467, às 17h30.

O compositor dessa edição é Georg Philipp Telemann (1681 - 1767) e a apresentação é composta pelas músicas: Quarteto em SolM para flauta doce, violino, oboé e baixo contínuo; Trio em Lam para flauta doce, oboé e baixo contínuo; Quarteto em SolM para violino, oboé, viola da gamba e baixo contínuo; Trio em Lam para flauta doce, violino e baixo contínuo; Trio em FaM para flauta doce, viola da gamba e baixo contínuo; Quarteto em Lam para flauta doce, violino, oboé e baixo contínuo.

Georg Philipp Telemann é considerado o compositor mais produtivo de todos os tempos. Nascido em Magdeburg, na Alemanha, foi contemporâneo de Johann Sebastian Bach e padrinho de um de seus filhos, Carl Philipp Emanuel. Por imposição da família, Telemann iniciou os estudos de direito na Universidade de Leipzig, que abandonou em seguida para assumir o cargo de regente da Ópera da mesma cidade. Em 1720, a sua intensa vida artística culminou com o cargo de maestro das cinco maiores igrejas de Hamburgo, onde compunha duas cantatas por semana. Foi um dos mais prestigiados compositores de sua época, e sua música teve grande influência nas gerações que o sucederam.

MÚSICA ANTIGA NAS IGREJAS

Dia

Igreja

Local/Cidade

Horário

03/04/2008

Igreja Evangélica Luterana do Brasil

Rua Venâncio Aires - Santa Cruz do Sul20h

 

04/04/2008

Catedral Diocesana

Santa Maria

20h

05/04/2008

Catedral

Bagé

20h

06/04/2008

Igreja Nossa Senhora do Carmo

Rio Grande

20h

07/04/2008

Catedral do Redentor

Pelotas

20h

09/04/2008

Igreja Nossa Senhora do Carmo

Tapes

20h

10/04/2008

Igreja Santuário Santo Antônio

Estrela

20h

11/04/2008

Catedral Nossa Senhora Aparecida

Passo Fundo

20h

12/04/2008

Igreja São Pedro

Gramado

20h

13/04/2008

Igreja São José

Av. Alberto Bins, 467- Porto Alegre

17h30

Currículo dos Integrantes do Grupo Instrumentarium

Rodrigo Calveyra - flauta doce e direção

Estudou flauta doce, transversal, oboé, violino e piano durante a sua primeira formação musical. Ainda jovem, venceu vários concursos de flauta doce em nível nacional e internacional. Em 1991, foi vencedor do concurso da Fundação VITAE, onde ganhou uma bolsa de estudos para aperfeiçoamento em flauta doce e música de câmara em Buenos Aires/Argentina. Entre 1988 e 1996, participou ativamente de festivais de Música Antiga no Brasil e na Europa. Em 1996, ingressou no renomado conservatório de música antiga Schola Cantorum Basiliensis, na Basiléia/Suíça, onde em 2000 obteve o diploma de solista em flauta doce, sendo orientado pelo Professor Conrad Steinmann. Em 1998 e 1999, estudou na Civica Scuola di Musica di Milano, Itália, onde foi aluno de flauta doce e de música medieval do renomado flautista e musicólogo Pedro Memelsdorff. Como solista, já aos 14 anos de idade, atuou junto à Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, sob a regência do maestro Túlio Belardi. Foi solista convidado de importantes orquestras no Brasil, Suíça, Itália, Espanha, França e Argentina. Atuou junto a nomes como Manfredo Kraemer, Juan Manuel Quintana, Luis Otavio Santos, Cristina Banegas e Giorgio Paronuzzi. Com o Instrumentarium, grupo especializado na interpretação da música antiga com instrumentos históricos, e do qual é fundador e diretor artístico, realiza concertos periódicos no Rio Grande do Sul e participa de festivais de música antiga no Brasil, na Espanha e na Argentina. É professor convidado do Conservatório Pró-Música de Rosário, Argentina, e realiza cursos de flauta doce e de interpretação de música histórica em Buenos Aires. Atualmente, mora em Lyon na França.

Manfredo Kraemer - violino barroco

Nasceu na Argentina em 1960. Começa os seus estudos de violino em Córdoba. Em 1984 se radica na Alemanha, e estuda na Escola Superior de Música de Colônia, com Franzjosef Maier. Em 1984 funda, junto a outros colegas da escola a orquestra Concerto Köln. Em 1986 é convidado por Reinhard Goebel a inegrar a renomada Música Antiqua Köln. Durante os seguintes cinco anos desenvolve uma intensa atividade concertística, também em qualidade de solista e diretor, com ao redor de cem compromissos anuais que o levaram por toda a Europa, Ásia, Oceanía e Américas. Se agregam a estes apresentações em diferentes rádios e televisões, e numerosas gravações para o selo Archiv/Deutsche Grammophon. Em 1991 começa uma carreira de freelance que o leva a colaborar em renomados grupos, tais como Les Arts Florissants, Les Musiciens du Louvre, Anima Eterna e Cantus Cöln, e sob a direção de W. Christie, M. Minkowski, J. v. Immerseel, F. Brüggen, R. Jacobs e G. Garrido. Com outros, como Les Cyclopes, Musica ad Rhenum, Capriccio Stravagante, participou de produções que foram internacionalmente elogiadas e premiadas, estabelecendo-o como um dos mais reconhecidos e interessantes violinistas barrocas da atualidade. Desde 1992 está ligado estreitamente a Jordi Savall como partner de música de câmara, e se desempenha como primeiro violino do seu grupo Les Concerts des Nations. Entre 1990 e 1993 deu cursos regular de violino barroco no CNR de Caen e foi titular da cátedra de violino barroco no conservatório de Hilversum, Holanda. Desde 1993 é professor de cursos como Longy School of Music, Cambridge, USA. Igualmente, foi profesor dos cursos de verão em Vancouver (Canadá), Amherst (USA), Seúl (Corea), La Seu d’Urgell (España). Desde 2002 está a cargo da cátedra de violino barroco na Escola Superior de Música da Catalunya, em Barcelona. Em 1996 funda o The Rare Fruits Concil, grupo que explora o repertório para a formação triosonata para dois violinos. Suas vívidas e ousadas interpretações chamam a atenção do público e da crítica, recebendo o el Diapason d’Or e o Grand Prix de la Academie du Disque. Com o disco Sonate, tam aris quam aulis servientes, com obras de H.F.Biber, recebe o aclamado Diapason d’Or de l’année.

Diego Nadra - oboé barroco

Começou os seus estudos de música na cidade de Córdoba, Argentina, onde estudou flauta doce e oboé. Desde 1995 se especializa na interpretação histórica do repertório barroco, como executante de oboé barroco. Desde 1997 reside na Holanda, onde estudou oboé barroco no Real Conservatório de Haia com o professor Ku Ebbinge entre 1997 e 2001, e no Conservatório de Amsterdã com o professor Alfredo Bernardini entre 2001 e 2002. Realizou concertos e gravações com os mais renomados diretores no campo da interpretação da música antiga incluindo Paul Mc Creesh, Jos van Veldhoven, Hermann Max, David Stern, Monica Hugett, Richard Egarr, Enrico Onofri, Hidemi Suzuki, Gabriel Garrido, Reinhard Goebel, Eduardo Lopez Banzo, Frans Brüggen, Attilio Cremonesi e René Jacobs. Diego Nadra realizou concertos e gravações em quase todos os países da União Européia, como também na Rússia, Coréia do Sul, Israel, Estados Unidos, Japão, Islândia, Brasil, Chile e Argentina, colaborando com grupos como Sociedade Bach da Holanda, Das Kleine Konzert (Alemanha), Concerto Köln (Alemanha) , Orquestra Barroca de Sevilha, Divino Sospiro (Lisboa), La Cetra (Suiça), Berliner Barock Compagney, Orchestra Libera Clasica (Tokio), Ensemble Elyma (Suiça), Musica Antiqua Köln (Alemanha), Al Ayre Español, Orquesta del Siglo XVIII (Holanda), Akademie für Alte Musik Berlin, Orquestra Barroca de Salamanca, The Rare Fruits Council (França), Lyra Baroque Orchestra (EE.UU.) e Concerto Copenhagen.

Juan Manuel Quintana - viola da gamba

Nascido em Buenos Aires, começou seus estudos de viola da gamba com Ricardo Masun aos 14 anos, e logo com Ariane Maurette em Genebra, com Paolo Padolfo na Schola Cantorum Basiliensis e realizou o ciclo de aperfeiçoamento do Conservatório Nacional Superior de Paris com Christophe Coin. Apresentou-se nas mais prestigiadas salas de concerto da Europa, Estados Unidos, América Latina e Japão, em diferentes grupos, como: Les Musiciens du Louvre, Concerto Vocale, Hesperion XX, Ensemble Vocal de Lausanne, Concerto Köln, Al Ayre Español, entre outros, participando com estes de numerosas gravações para Archiv Produktion, Harmonia Mundi France, Glossa, Alia Vox e outras. Foi professor de viola da gamba no Festival Internacional de Curitiba e no curso de verão da Universidade de Salamanca. É professor do Conservatorio Municipal de Buenos Aires e do Pro Musica de Rosário. Como solista se apresentou em salas como o Théâtre de la Ville e Théâtre des Abesses, e em rádios como Radio France e Radio de la Suisse Romande. Realizou pela Harmonia Mundi as gravações das Suites de Marin Marais, as sonatas para viola da gamba e cravo de J.S.Bach, e os triosonatas de D.Buxtehude, recebendo numerosas recompensas da crítica (Diapason d’Or, Choc du Monde de la Musique, Classica, nominação para o Grammy Awards e outras). Foi assistente de Marc Minkowski nas produções de L’Incoronazione di Poppea e Giulio Cesare. Dirigiu Les Musiciens du Louvre, uma das mais importantes orquestras de música antiga da Europa, em uma turnê pelo sudeste asiático e pela França. Desde então dirige vários projetos na Argentina como « La Resurrezione » de Haendel e as óperas « Agrippina » de Haendel (2004), « L’Incoronazione di Poppea » de Monteverdi (2006) e « Rodelinda » de Haendel.

Jorge Lavista - cravo

Nasceu em Buenos Aires, em 1971, onde se graduou na Escola Nacional de Música Juan Pedro Esnaola. Estudou com Silvia Leideman e María E. Cora. Prosseguiu no Conservatório Real de Haia (Holanda) e na Schola Cantorum Basiliensis (Suíça). Viveu na Holanda entre 1991 e 2003, desenvolvendo uma atividade como cravista, organista e diretor, apresentando-se em importantes festivais e salas de música antiga na Europa e América do Sul, colaborando com destacados artistas como Max van Egmond, Frans Brüggen, Jos van Veldhoven, Jacques Ogg, Wilbert Hazelzet, Manfredo Kraemer, Juan Manuel Quintana, Gabriel Garrido e René van Sluis. Participou de numerosas audições de rádio e televisão e em edições discográficas (Klasiek FM Nederland, Radio 4, Philips, Globe). Participou da gravação ao vivo da "Paixão segundo São Mateus" de J.S.Bach sob a direção de Frans Brüggen (Phillips). Sua atividade docente compreende aulas de música barroca em nível superior, Casa de Mateus (Portugal), Centro de Música Antigua de Buenos Aires, entre outros. Participou em duas ocasiões como cravista do grupo Instrumentarium dentro do projeto Música Antiga nas Igrejas, realizando 20 concertos no sul do Brasil. Dirige o seu próprio grupo, o "Compendio Musicale", fundado em 1999, dedicado principalmente à interpretação das obras de J.S.Bach e G.F.Haendel. Como diretor artístico e musical, trabalhou com Opera Noord-Holland-Noord dirigindo "Les Indes Galantes" de J.P.Rameau, "Alexander’s Feast" e "Venus e Adonis" de J.Blow. Sua estréia como diretor foi em 1999, no Concertgebouw de Amsterdam com a pastoral "Acis e Galatea". Se apresentou em salas de concerto como os teatros Colón, Avenida, San Martín, Margarita Xirgu, Teatro Argentino de La Plata, Teatro Libertador de Córdoba, Teatro El Círculo de Rosário tanto em qualidade de diretor como de instrumentista. Dirigiu a ópera "Dido e Eneas" de H.Purcell e o oratório "A Ressureição" de G.F.Haendel no Festival de Música Barroca de Córdoba.

Grupo faz turnê entre 03 e 13 de abril

Foto: Fernando C. Vieira/ACS-Grupo CEEE

Últimas Notícias

Categoria
A CEEE
Data
04/07/2020

CEEE recompõe energia para 99% dos clientes

Categoria
A CEEE
Data
24/06/2020

CEEE-GT vai ampliar capacidade da Usina de Bugres