Notícias

Mais uma academia de ginástica de Porto Alegre é autuada por furto qualificado de energia elétrica

Esta foi a terceira academia na Capital Gaúcha fiscalizada que apresentou desvio de energia neste mês

Por admin / Publicado: 26/09/2016 Última modificação: 18/10/2019 16h29

Compartilhar

Através de um trabalho conjunto da área de fiscalização da CEEE Distribuição com a Polícia Civil foi detectado hoje mais um caso de furto qualificado de energia elétrica em academia de ginástica de Porto Alegre. O estabelecimento instalado na Avenida Assis Brasil 5326, bairro Passo D’Areia, zona Norte de Porto Alegre estava desviando parte da carga utilizada pelo local.

 

Pela verificação dos técnicos, a energia desviada da concessionária era utilizada para o funcionamento de dois aparelhos de ar condicionado de 56 mil BTUs, dez esteiras, entre outros equipamentos, além de iluminação. Conforme cálculos da empresa, o valor devido à CEEE que será cobrado pela energia consumida e não faturada é de R$ 60 mil. A soma leva em consideração os equipamentos existentes e o tempo pelo qual foi feito o desvio. Neste mês, outras duas academias haviam sido autuadas pelo mesmo motivo, uma no bairro Cavalhada e outra também no Passo d’Areia.

 

No final da tarde, os técnicos da empresa, em conjunto com os agentes da Delegacia Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes contra o Patrimônio das Concessionárias e Serviços Delegados (DRCP), autuaram em flagrante a dona de um mercado na rua Banco Inglês, no bairro Santa Teresa, parente do proprietário da academia de ginástica da Avenida Assis Brasil. Os cálculos do desvio da energia furtada nesse estabelecimento ainda estão sendo apurados pela empresa.

 

O furto qualificado de energia é crime, previsto no Artigo 155 do Código Penal, com pena que pode variar de dois a oito anos de reclusão. A CEEE Distribuição vem intensificando o trabalho de combate às fraudes de energia nos municípios da sua área de concessão, em alguns casos com o auxílio da Polícia Civil. A CEEE Distribuição já recuperou R$ 22 milhões em decorrência das ações de cobrança decorrente de fiscalizações nos primeiros oito meses deste ano.